quinta-feira, 29 de março de 2018

Lúcifer, o projetista

Niom se manifestava através de um universo infinito, com bilhões de dimensões imateriais, onde o elemento de criação era o mais sutil de tudo que se conhecia.
Seres de altíssima evolução buscavam em Niom a última fonte evolucionária. Neste contexto acontece o encontro de doze entidades afins. Tais entidades se manifestavam através de universos nos quais eram a consciência predominante. Talvez vocês poderiam dimensionar tais entidades se eu dissesse que toda a via láctea não passaria de uma célula delas. Assim, neste nível de grandeza os doze resolvem criar e custodiar um universo completamente novo. Ele fugiria de todos os padrões criativos e leis já conhecidas, absolutamente, tudo nele seria novíssimo. Assim o universo tal qual o conhecemos é criado.
Os doze, ao criarem neles mesmos este novo mundo, partiram de um princípio básico, a liberdade de escolher o próprio caminho, ou seja o livre arbítrio. Com o universo criado a partir da fusão deles, era hora de deixar tal universo evoluir pela eternidade e continuarem a focar suas evoluções próprias em Niom.
Para tal, seres de evolução abaixo deles, que precisavam desta envergadura de aprendizado foram chamados e passaram a reger todas a leis de desenvolvimento evolutivo e criação de mundos dentro de mundos.
Então, aqui surge Lúcifer que tem carta branca para exercer o seu papel de co-criador Assim, ele que fazia todos os projetos e passa a ser considerado o Deus Criador em muitos planetas deste universo novo porque, na consciência desses seres, Lúcifer era o criador de suas chamas de vida. Na consciência destes seres ele passa a ser o Deus supremo e todo poderoso. Na medida em que os planetas iam se desenvolvendo passou a criar nas mentes dos seres uma idéia da imagem do seu criador. Inúmeras crenças, seitas e religiões se formaram em torno disso, cada uma fortalecendo mentalmente uma imagem mental do criador, no caso Lúcifer.
O projeto de Lúcifer consistia de criar duas raças básicas para o desenvolvimento deste novo universo de livre escolha, os humanos e os reptilianos. Dentro do jogo de integração de polaridades, os humanos representariam o lado luz e os reptilianos o lado sombrio, trevas. Nos humanos é inserida a máxima interna, secreta, profunda e inconsciente, "sempre buscar a paz e harmonia". A máxima reptiliana dizia: "Tudo que encontrar pelo cosmos, tudo e todo tipo de vida é teu por direito para explorar como queira, é seu direito divino". Ainda, segundo o projeto de Lúcifer, tanto humanos quanto reptilianos teriam em sua concepção biológica sessenta por cento de negatividade. Um projeto hiper audacioso, pois uma evolução com tanta negatividade, jamais havia sido tentado antes, no máximo quinze por cento. Lúcifer apostava que com isso a evolução não duraria uma eternidade. Esse projeto evolutivo foi o maior fiasco nos registros cósmicos, um desastre total jamais visto anteriormente. Um verdadeiro holocausto ao longo de milhões de anos. Uma guerra muito grave, quando ambas as raças possuíam tecnologias avançadas e percorriam com suas naves grandes distâncias galácticas, implodiu na constelação de Órion ceifando bilhões de vidas com a explosão de inúmeros planetas. Sóis, estrelas começaram a explodir, universos inteiros pulverizados em segundos, quando a sétima estrela explodiu, o Arcanjo Miguel e outros de mesma envergadura intervém neste novo universo e colocam ordem na casa. Dentro deste contexto de intervenção, ele elabora um projeto de restauração, que colocasse em equilíbrio tamanha falta de respeito pela vida. Assim todos os violadores das três leis básicas, Não matar, Amar o próximo como a ti mesmo, respeitar o livre arbítrio do outro ser foram aprisionados em uma infinita teia, tipo um circulo onde dele nem a morte libertaria. Todos foram intimados a assumir a responsabilidade de seus feitos, inclusive Lúcifer, o projetista.
Trinta e sete mundos de exílio temporário, incluindo a terra foram criados para a rondas encantatórias dos violadores das leis maiores da vida. Tipo assim, se cria um pit Bull, mas o estrago que ele faz, tanto criatura quanto criador pagam juntos a conta.

Fora coisa inútil

Jogando fora os cacos A terra fértil   Para minha alma   Sonhei que caminhava com um grupo, quando percebi que alguma coisa e...