sábado, 14 de janeiro de 2017

Sobre o erro

Sobre o erro
Erro até mesmo quando estou em vigília para não errar. Esforço-me para o bem, faço trabalhos sociais, contudo, o mal é inevitável. Inúmeras situações fogem o meu controle. Impinjo a dor e o sofrimento sem querer, mesmo os estando aliviando em muitos outros seres. Escapa-me entre os dedos o mal que não quero fazer. Em certa ocasião, havia recebido do CEASA muitas caixas de tomates, então fomos a uma comunidade cadastrada distribuí-los gratuitamente. Em meio à distribuição alguém me atira um tomate, que acerta em cheio o meu rosto. Segundo o agressor aquele tomate estava podre, em meio a tantos outros bons que o mesmo recebera. Mesmo quando julgamos estar fazendo o bem somos confrontados com o mal que não buscamos. Assim, resta-me a esperança de no dia de meu juízo final, a minha balança entre o bem e o mal praticado estar pelo menos em equilíbrio.
Paz, luz, amor, saúde, alegria e prosperidade.

À vestimenta de culpa

À vestimenta de culpa minha Por trás de teus olhos me faz Lembrar amor que continha Mistério, alegria e paz