domingo, 20 de março de 2016

Bem lá no fundo há um vento que me sopra em tua direção


Mesmo com ambos os pés presos à terra abristes a visão da minha alma.

Quando quis crer você me levou as estrelas no seu sorriso e olhar.
Fomos além de todas fronteiras e obstáculos para criar a chama.
Pequei por querer formatar-te a imagem de Deusa em divina graça.
Não era para terminar no fim, era sim para ir além do tempo e espaço.
Meu ser te busca além vida ignorando a morte.
Hoje são outras trilhas por onde meus pés me conduzem onde o pó das estradas empoeiradas, o peso da jornada e a secura do deserto são meu norte.
Bem lá no fundo há um vento que me sopra em tua direção, sempre, pela eternidade imune às desventuras.

Mesmo com ambos os pés presos à terra abristes a visão da minha alma.
Quando quis crer você me levou as estrelas no seu sorriso e olhar.
Fomos além de todas fronteiras e obstáculos para criar a chama.
Pequei por querer formatar-te a imagem de Deusa em divina graça.
Não era para terminar no fim, era sim para ir além do tempo e espaço.
Meu ser te busca além vida ignorando a morte.
Hoje são outras trilhas por onde meus pés me conduzem onde o pó das estradas empoeiradas, o peso da jornada e a secura do deserto são meu norte.
Bem lá no fundo há um vento que me sopra em tua direção, sempre, pela eternidade imune às desventuras.

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=306960 © Luso-Poemas

Mesmo com ambos os pés presos à terra abristes a visão da minha alma.
Quando quis crer você me levou as estrelas no seu sorriso e olhar.
Fomos além de todas fronteiras e obstáculos para criar a chama.
Pequei por querer formatar-te a imagem de Deusa em divina graça.
Não era para terminar no fim, era sim para ir além do tempo e espaço.
Meu ser te busca além vida ignorando a morte.
Hoje são outras trilhas por onde meus pés me conduzem onde o pó das estradas empoeiradas, o peso da jornada e a secura do deserto são meu norte.
Bem lá no fundo há um vento que me sopra em tua direção, sempre, pela eternidade imune às desventuras.

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=306960 © Luso-Poemas

Fora coisa inútil

Jogando fora os cacos A terra fértil   Para minha alma   Sonhei que caminhava com um grupo, quando percebi que alguma coisa e...