segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

O "ter" em detrimento do "ser"


Vivemos uma vida completamente afastada da verdade do que realmente somos.
A ilusão faz com que vivamos alienados de valores que nos aproximam daquilo que seria a nossa verdadeira imagem. Desde a tenra idade somos confrontados com o sentimento de posse e passamos a vida inteira querendo “ter” coisas, instigado por uma mentalidade de consumo. Ter beleza, ter conforto, ter dinheiro, ter prestígio, ter amor, ter casa, carros e por aí vai. Em contrapartida o “ser” fica redimensionado a um segundo plano, vivendo alienado de si mesmo em nível de realidade. Aquilo que se “é “, é tudo, aquilo que se julga ter não é nada. Em realidade ninguém possui aquilo que julga “ter”, nem mesmo o próprio corpo que o abrigou como morada, durante um período longo ou curto, que obrigatoriamente será devolvido à terra, e aí cadê o “ser” diante do “ter”? Como humanidade podemos dar um passo revolucionário, quando o “ser” passar à frente do ter. Passaremos a deixar de herança não o que nunca tivemos, mas geneticamente nossos filhos e netos herdarão uma consciência iluminada, pois luz será o que devolveremos para terra, que se doou a nós. Deixaremos de ser os parasitas e devolveremos algo de positivo à evolução humana.


http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=288004
Vivemos uma vida completamente afastada da verdade do que realmente somos.
A ilusão faz com que vivamos alienados de valores que nos aproximam daquilo que seria a nossa verdadeira imagem. Desde a tenra idade somos confrontados com o sentimento de posse e passamos a vida inteira querendo “ter” coisas, instigado por uma mentalidade de consumo. Ter beleza, ter conforto, ter dinheiro, ter prestígio, ter amor, ter casa, carros e por aí vai. Em contrapartida o “ser” fica redimensionado a um segundo plano, vivendo alienado de si mesmo em nível de realidade. Aquilo que se “é “, é tudo, aquilo que se julga ter não é nada. Em realidade ninguém possui aquilo que julga “ter”, nem mesmo o próprio corpo que o abrigou como morada, durante um período longo ou curto, que obrigatoriamente será devolvido à terra, e aí cadê o “ser” diante do “ter”? Como humanidade podemos dar um passo revolucionário, quando o “ser” passar à frente do ter. Passaremos a deixar de herança não o que nunca tivemos, mas geneticamente nossos filhos e netos herdarão uma consciência iluminada, pois luz será o que devolveremos para terra, que se doou a nós. Deixaremos de ser os parasitas e devolveremos algo de positivo à evolução humana.


Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=288004 © Luso-Poemas
Vivemos uma vida completamente afastada da verdade do que realmente somos.
A ilusão faz com que vivamos alienados de valores que nos aproximam daquilo que seria a nossa verdadeira imagem. Desde a tenra idade somos confrontados com o sentimento de posse e passamos a vida inteira querendo “ter” coisas, instigado por uma mentalidade de consumo. Ter beleza, ter conforto, ter dinheiro, ter prestígio, ter amor, ter casa, carros e por aí vai. Em contrapartida o “ser” fica redimensionado a um segundo plano, vivendo alienado de si mesmo em nível de realidade. Aquilo que se “é “, é tudo, aquilo que se julga ter não é nada. Em realidade ninguém possui aquilo que julga “ter”, nem mesmo o próprio corpo que o abrigou como morada, durante um período longo ou curto, que obrigatoriamente será devolvido à terra, e aí cadê o “ser” diante do “ter”? Como humanidade podemos dar um passo revolucionário, quando o “ser” passar à frente do ter. Passaremos a deixar de herança não o que nunca tivemos, mas geneticamente nossos filhos e netos herdarão uma consciência iluminada, pois luz será o que devolveremos para terra, que se doou a nós. Deixaremos de ser os parasitas e devolveremos algo de positivo à evolução humana.


Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=288004 © Luso-Poemas

Pingos De Luz