sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Sonhos que se vão consumidos em chamas incertas


Tempestades insistentes

 Canto de felicidade

Reflexos de passado remoto a tremular em tochas
Sonhos que se vão consumidos em chamas incertas
Fantasmas de outrora vagueiam caçando sombras 
Tempestades insistentes a martelar rochas

Tentativas vãs de um elo aparentemente indestrutível
Um fim sem início, um navio sem mar, um vazio no ar
Um novo mais velho que o céu mais antigo
Paradoxo atemporal de uma verdade falível

Lanço-me ao desconhecido com a força de vulcão
Recuo desesperado com a profundeza das trevas
Canto de felicidade com a alegria das manhãs
Choro com a tristeza que se perde fundo no coração

O todo poderoso Google não responde a reclamações

Roubaram minha imagem na internet do google meu negócio. Assim, quando uma pessoa faz pesquisa no google com algum problema hidráulico,...