sábado, 31 de agosto de 2013

Questões intrínsecas ao ser chamado humano




 

O ser chamado humano

Veículos de manifestação do "ser"

Questões intrínsecas ao ser chamado humano até hoje sem respostas só poderão ser respondidas à luz da múlti dimensionalidade da vida que flui nos veículos de manifestação do "ser".

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Para você


 Eu te amo..... eu sei
 欧盟TE AMO......欧盟SEI
I love you ...... I know
 Ek is lief vir jou ...... Ek weet
Unë të dua ...... unë e di
 Ich liebe dich ...... ich weiß,
  Ես սիրում եմ քեզ ...... ես գիտեմ,
 Mən səni sevirəm ...... Mən bilirəm
 Я люблю цябе ...... Я ведаю,
 我爱你......我知道
 Te amo ......
أنا أحبك ...... وأنا أعلم

Fica tranquila na nossa história nada vai dar certo
Justamente porque os"Deuses nos amam"
Caso contrário, teríamos uma vida mundana
E ao final  dela descobrir
Que em verdade
Nada realizamos pelo porvir 
Eu e tu
Tu e eu
Somos mensageiros do eterno 





Um dos grandes aprendizados que fiz nesta vida foi compreender que não se cobra do "outro" aquilo que ele não tem para lhe dar.

Sendoluzmaior


Minha " praia poética"

 Muito além da língua mãe

 

Foto:http://www.caminhos-de-aruanda.com/2012/12/portais-interdimensionais-ossae-omulu.html

 Este é um "poetizar" completamente transgressor e livre




Minha "praia poética" vai muito além da língua mãe
Transcende as vertentes de puro leite e mel
Evoca antigas metamorfoses supra mentais
Ancoradas atemporal-mente
Transgredindo normas humanas de paternalismo inconsciente
Surfando em ondas interdimensionais
Este é um "poetizar" completamente transgressor e livre
 Não para "arrasar corações"

Não para profetizar

Não para salvar e sim para amar

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Planeta terra

 Encanto e esplendor cegavam-me

 

 A rigidez de coração


Terra a sua proximidade,
Encanto e esplendor cegavam-me,
Mas a luz aos poucos foi me permitindo ver,
Que quem tinha “tudo”
Não possuía nada.
A nenhum humano nada pertence
Nem mesmo aquilo que acha ser
Então, que nos serve à soberba
A rigidez de coração?

Balas que ferem

De joelhos

 

Errem meu coração

 


De joelhos ao chão rogo
Oh, balas que ferem,
Errem meu coração,
Deixem-no intacto para amar.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Não virei frei

Não virei frei, por não ser rei, de pastagens estéreis

Lumia candelabros de sombras mortas e tortas

Afligem passados longilíneos sem ecos do agora,

Que por hora sobrevoem a carne putrefeita.

Na boca a torta



Ruínas aflitas de tormentos mil

 Cinderelas em carruagens de abóboras

 

Na boca a torta sepultou as palavras não ditas
Ruínas aflitas de tormentos mil
De soslaio demente viu gélidos braseiros,
Assombrando Cinderelas em carruagens de abóboras

Ensino nas rimas

Nas rimas poesia

Que encanta e chora


Nas rimas poesia
De ti nos ensina
Dos amores
Das dores
E alegrias
Todas de ti
Partilha teu mundo
Teu encanto
Tua magia
Espelhas nostalgia
Embalos noturnos
Nas entrelinhas
Segredos ocultos
Mensagens subliminares
Ocultam cultos
Cantos a vida
Medo da morte
Frustradas paixões
Choram perdas
No abismo
Sobra esperança
Aguarda herança
Dias "ensolarados",
De amores
Pão e vinho,
Celebram
O "eterno"
Deste contexto
Sem eixo
Que rola a roda
Que encanta e chora.

Não tenho inimigos

Eu sou privilegiado

Não tenho inimigos


Eu sou privilegiado
Não tenho inimigos
Por um simples motivo
Ninguém peleja
Contra meu "Deus"

Retalhos de esperança

Um monge eremita

Trabalho da roça

Amandu, um monge eremita que é um grande amigo meu, de longa data, me lembrava sempre que na terra, somos "todos prisioneiros". Não me vou estender muito sobre o assunto, deixo para que reflitam. Apenas vou dizer o que uma amiga (Monja) me disse semana passada, "às vezes chegam aqui àqueles homens muito fortes, porém dominados por coisas tão simples, que não conseguem soltar".

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/ne ... ype=&mode=0#ixzz2ch7W8mdJ
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Continuando, estes homens fortes, muitos escravos da própria soberba, para eles eram dadas tarefas bem simples, como lavar banheiros comunitários, ou o árduo trabalho da "roça". A maioria não entendia o propósito, mas aceitavam as tarefas.

Trechos do fórum do luso poemas- coluna iluminar

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

As elites

 Temporada de caça

 

 As elites, sempre se acham "boas demais"



Já participei de vários grupos, "sob inúmeras bandeiras", todos com suas próprias regras, mas da interação dos membros, sempre surge as "mazelas humanas", não há como ser diferente; se aqui no Luso, não querem rixas, cortem os comentários, removam "a interação". Mesmo na mais rígida disciplina militar, aprendemos que acima da regra está o "bom senso" e isso é bem particular. Somos humanos, somos imperfeitos, contraditórios e isso transparece em qualquer interação. É melindre exigir perfeição, sabendo-se imperfeito, exige-se do outro, mas não de si mesmo. Escorregou, caiu, levanta-se e prossegue-se, sabedor de que da queda não se livra, pelo menos enquanto na terra existir a força da gravidade. Por hoje digo, podem-me insultar a vontade.
As elites, sempre se acham "boas demais".
Se é para "elitizar", como já disse em outra ocasião, "exijam currículo" e abram "temporada de caça".

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Lindíssimo

Liberdade de expressão

 Podemos pensar e nos expressar livremente

 Evidenciar o nosso coração


Ainda bem que "ainda" podemos pensar e nos expressar livremente, partilhando com todos a visão e a forma como percebemos o mundo; ainda bem que existe espaços como este, que nos permite evidenciar o nosso coração a "muitos". Sabemos que há muitos lugares deste mundo onde "ditam" aquilo que se deve pensar, ainda bem, que por "aqui" não é assim, não é mesmo?

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Me perdi

 A devida descrição

  Tudo na vida é "foco"

 






Ao ouvir de uma pessoa que ela havia-se perdido, perdoem-me, mas faltou-me a devida descrição e respeito, haja vista que a mesma estava bastante séria, então disse: "Mas que maravilha". O olhar dela para mim demonstrou insatisfação com minhas palavras, então antes que me falasse mal completei: Perder-se é humano, encontrar-se é divinamente luminoso, momento de muita alegria. Perder-se é oportunidade. É claro que não sou do tipo pessimista, pois acredito que tudo na vida é "foco".

À vestimenta de culpa

À vestimenta de culpa minha Por trás de teus olhos me faz Lembrar amor que continha Mistério, alegria e paz