domingo, 6 de janeiro de 2013

Meu navio pirata





Nesta fantasia entoo 
Que minha coragem
É um voo
Eu luto e não enjoo

Meu navio pirata
É uma carcaça de prata
Que cruza os céus em cascata

Em sua sina ingrata


Fantasio não minto
Estou quase extinto
Mas ainda existo
Amor ainda não sinto

Minha lei escrita em couro
Entoada em coro
Que meu destino
É o ouro

Cruzei os céus
Lutei ao léu
Me lambuzei de mel
Rasguei os véus

Um dia na eternidade resolvi amar
Fui então me entregar
Para minha dívida com Deus saldar
E tudo assim terminar

Fui condenado por direito
Fui esquecido ao relento
Fui exilado de fato
Fui desmemoriado no ato


Medo não tenho
Porém não desdenho
Da vida fiz um desenho
Mas esta eu não tenho

Como o amor
Sempre encontra um caminho para amar
Na curva da eternidade a beira mar

Eu a encontrei para amar e assim me curar


Herói não sou
Louco não estou
Amar foi o que restou
Fantasiando eu vou.

Minha amada é rosa
Sempre vaidosa
Sempre ditosa
Sempre em prosa

Estando a bailar
Seus véus a voar
Seu corpo a rodopiar
Quase chega a decolar

Fica escrito
Um fato
Que posto
E relato






Lúcifer, o projetista

Niom se manifestava através de um universo infinito, com bilhões de dimensões imateriais, onde o elemento de criação era o mais sutil de...