quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Coelho na cartola



Compreendemos que cada alma encarnada na realidade terra, encontra-se num ponto momento em sua trajetória, que não é a que poderia ser devido o aprisionamento, que em muitos casos foi a fôrça, ou foi por artifícios questionáveis cosmicamente falando.
Vamos mencionar determinado trejo da trajetória deste que vos fala, pois a gente nunca sabe quando e o que pode ser útil de fato para as almas , fica pois esta partilha como semente.
Já havia tentado de tudo no sentido de aprofundamento em busca de mim mesmo e alguns contatos com energias mais sutis já haviam se estabelecido de forma natural , minha busca não é por contatar IRMÃOS por mais luminosos que sejam, é uma busca por mim mesmo, pela minha verdade, pela minha realidade, independente do que possam dizer os DOUTORES DO CONHECIMENTO, a minha verdade somente EU POSSO ENCONTRÁ-LA.
A alma precisa amadurecer no sentido de não buscar respostas fáceis, conforto espiritual e material, pois tudo que fortalece a psique humana, enfraquece e acorrenta a alma, havida por viver esta verdade.
Entrar em si mesmo verdadeiramente não é fácil nem difícil, é bastante trabalhoso e requer uma terminação que os próprios mecanismos de defesa do corpo colocarão a prova, seu corpo é seu PRIMEIRO MUNDO, ONDE OS COELHOS SE ENCONTRAM MUITO BEM ESCONDIDOS DE VOCÊ EM TOCAS.
Você a primeira vista quando em liberdade de consciência vai enganosamente achar que se encontra num mundo estranho, onde as coisas parecem diferentes e estranhas, mas com muita similaridade de seu mundo na terra, você estará sempre a percorrer os seus próprios labirintos, que é sua prisão, onde a morte física não liberta, o corpo físico é a primeira cela e corrente e é contraditoriamente a chave de vossa libertação , que como já foi mencionado a morte não liberta.
Quando dou a meu corpo o alimento que ele quer e biologicamente precisa, por fôrça da natureza animal em mim, fortifico as barras de minha prisão e enfraqueço minha alma.
Quando forneço a meu corpo o mínimo do mínimo em todos os aspectos, corto o ar dos coelhos e eles saem das tocas, a princípio vão correr a nossa frente e obstruir todos os caminhos que busquemos seguir, mas com a nossa de terminação o ar deles vai se esgotando e eles se aquietam e ficam parados a beira do caminho observando nossa passagem, pois em torno do pescoço deles paira neste momento um laço de luz, que os aperta quando eles tentam nos obstruir.
A nossa coragem em não fornecer ao corpo nada animal em todos os sentidos e o mínimo do mínimo de alimentos leves, folhas e frutos, além de jejuns alternados de 24 horas, mais limpeza intestinal que pode variar a cada 15 dias, ou uma  vez por semana, enfraquecerá o físico, no entanto quando feito com clareza de propósito, obrigará o corpo psico somático a ir em busca de energias sutis que possam manter o corpo vivo e operante, desta forma o in imaginável aproxima-se da consciência do ser, tenha claro, que a alma não serve ao corpo, é o corpo que serve a alma, no entanto no aprisionamento a sociedade humana adotou como padrão de verdade o contrário, o que ajudou a disseminar o medo da morte e trouxe a subserviência a quem se acreditava poder prolongar a vida.
Tenha claro que uma pessoa que seja privada dos alimentos por fôrça das circunstâncias da vida , não é o caso da quem o faz de livre e espôntanea vontade, que requer perseverança no sentido profundo da palavra.
O exposto  é apenas uma partilha, que caso queiram experenciar pode em conformidade com a de terminação de cada um tirar os coelhos das tocas, trazendo mais liberdade para consciência do ser.
É engano dizer que se trabalha a consciência mantendo os coelhos em suas TOCAS.
Consciência ampla

Pingos De Luz